Templates by BIGtheme NET
Home / Em Destaque: / Notícias / O rosto missionário de uma paróquia (IIª Parte)

O rosto missionário de uma paróquia (IIª Parte)

 

Uma paróquia missionária e evangelizadora

 

É urgente que a paróquia empenhe todas as suas forças no sentido de ir a todos, envolvendo todos e dando toda a tarefa da missão da Igreja às pessoas em seu território. Mais do que nunca precisamos ir às pessoas, alcança-las pela evangelização e apresentarmos a elas um projeto claro de vida cristã.

Durante muito tempo penduramos a placa de evangelização em ações que não mereciam esse nome, hoje entendemos evangelização como um processo continuado, sucessivo e em etapas claras onde a pessoa uma vez que inicia o seu processo é acolhida pela paróquia que passa a acompanha-la de perto dando-lhe o auxílio necessário para que permaneça e persevere como discípulo e apóstolo de Jesus Cristo.

Cada pessoa evangelizada, em nível de querigma completo e explícito, deveria ganhar na paróquia uma pequena comunidade de vida cristã que lhe ajude na sustentação do seu ser discípulo de Jesus Cristo. O discípulo sendo formado constantemente percebe-se projetado como missionário, enviado em nome da sua comunidade paroquial para ir e alcançar outras pessoas para não mais abandoná-las.

A lógica é a mesma que foi vivenciada pelos primeiros cristãos e por Maria Santíssima: Somos convidados para um encontro pessoal com Jesus Cristo Vivo, para termos vida nova. Ao longo deste encontro percebemos que precisamos abandonar toda situação de pecado, ressentimento e obras de satanás para nos voltarmos a Jesus como nosso único Senhor e Salvador a nível pessoal. Na sequência a paróquia nos acolhe indicando os meios de crescimento na vida cristã para permanecermos e perseverarmos em uma pequena comunidade.

Vencido este primeiro momento do encontro pessoal a pessoa segue em uma pequena comunidade e por sua própria vida começa o processo de irradiação testemunhal com suas palavras e ações dentro do território paroquial onde começa a visitar e anunciar a boa nova a outras pessoas. Sendo assim, a vida da paróquia ganha força quando coloca em ação três verbos: EVANGELIZAR (encontro pessoal com Jesus Cristo para ter vida nova), DISCIPULAR (permanecer e perseverar recebendo querigma e catequese permanente em uma pequena comunidade) e ENVIAR (ação missionária organizada e sistemática dentro de uma paróquia missionária e evangelizadora).

 

Olhando para frente

 

A nova evangelização pedida pela Igreja em seus mais recentes documentos requer de nossas paróquias novas estruturas e a ousadia de sair da zona de conforto de dizer que as coisas sempre foram feitas assim e que não tem como mudar, ou ainda dizer, ninguém quer nada com nada. Muitos estão desanimados porque ainda não lhes foi apresentada uma oportunidade de encontro verdadeiro e real com Jesus Cristo que não os deixe apenas emocionalmente tocados, mas verdadeiramente decididos em segui-lo mais de perto com uma vida de santidade que lhe seja agradável.

Por fim, fica claro que quando a paróquia tem um Sistema Integral de Nova Evangelização o resultado final será um Plano de Missão e Pastoral devidamente articulado onde o ser e o fazer da vida cristã se comunicam perfeitamente. Quando a preocupação é apenas em fazer coisas, fazer isso ou aquilo, corremos o risco do esvaziamento e da perda do sentido com que fazemos muitas ações no nosso dia-a-dia. No entanto, quando o fazer é precedido por um espaço onde o ser é valorizado e alimentado constantemente através do querigma e da catequese os resultados são bem diferentes: Evangelizamos, geramos discípulos comprometidos e enviamos missionários cheios do Espírito Santo para novamente evangelizar, discipular e enviar outros num processo que só terá fim no céu. Isso é uma paróquia!

Pe. João Manoel Lopes : Pároco na Paróquia São Sebastião em Formosa-GO/  Coordenador Diocesano de Pastoral na Diocese de Formosa-GO

sacc83o-francisco-de-assis-01